quinta-feira, 8 de abril de 2010

Dona do Nada


Sou o que sou... não por aquilo que tenho ou deixo de ter...
Nada me pertence, nem mesmo da minha alma sou dona.
Ela sacia-se das essências que a envolvem,
De momentos cruzados com outros, do tempo que nos liga,
Das horas vagas passadas comigo mesma...
Nem as emoções e sentimentos são minha propriedade,
Pois eles saõ provocados por gente alheia...
A saúde é minha até um dia a perder,
Tal como a tristeza, a felicidade, as memórias esquecidas...
Ainda este texto que é parte de uma onda de inspiração.
Tornando a única certeza que eu possui,
Sendo a incerteza que gere a minha existência.
Como um nevoeiro que se abate no horizonte,
Instala-se e permanece por tempo infinito...
Deixando apenas lugar e vista
Para o próximo passo que vacila em continuar.
Assim como o desconhecido Amanhã
Que tanta curiosidade e ansiedade levanta,
Impede que o Agora seja desfrutado
E se esquece que ele foi o amanhã de ontem...
Quem me explica como se dá tempo ao tempo,
Se nem o vemos passar, nem o podemos tocar...
Ele foge-nos por entre os dedos,
E no entanto se agarra ao nosso corpo em forma de idade.
Que sou eu? De que sou feita?
Se nada é meu e me pertence...
Sou o momento presente, despida do que foi e está para vir.
Então o que meu poderia ser, é o conhecimento,
Acompanhado da desilusão de não empregar esse saber.
Pois sei que serenidade é viver sem a preocupação do futuro,
Um lugar que não é meu porque lá ainda não cheguei.
Sei que a esperança é confiar que por trás do nevoeiro,
Está o sol que brilha e a lua que sorri,
À distância do medo de avançar.
Se ao menos soubesse que sou dona do nada
E nada tenho a perder...

By Nathalie

5 comentários:

  1. Oi Nathalie,
    Estava com saudades de suas postagens.
    Obrigado por voltar, como estão esses Açores lindos ?
    Um grande abraço !
    João.

    ResponderEliminar
  2. Olá querida amiga!

    Ás vezes realmente apetece acordar para a realidade, como dizes... mas e depois quem é que faria aquilo que viemos aqui fazer?! ;)
    É só preciso um pouco de coragem para continuar.

    Algumas vezes também me deu vontade de abandonar a sala de cinema, mas depois olho para o longo percurso que foi percorrido e penso que seria um desperdício sair e não ver o filme até ao fim. :)

    Quanto ao teu texto amiga, até dá para sentir o teu estado de espírito a quando da escrita, até as palavras transportam consigo uma frequência...tu és a dona da tua alma e nunca deixes te convencer do contrario.
    Só que cada um traz o seu próprio "mapa de vida" e o que dificulta tudo é o não relembrar do que se planeou...vai tudo correr bem e no fim amiga, nunca se perde nada apenas se ganha!

    beijinho grande para ti!

    ResponderEliminar
  3. Bom fim de semana minha querida, bjs

    Existe algo misterioso
    no silêncio de seu olhar
    que talvez nunca revele
    pois, a mente feminina
    é um perigoso enigma
    que em vão, os homens
    pretendem desvendar.
    Mas, para quê conhecer
    esse hermético segredo?
    Se nosso grande objetivo
    sempre por nós perseguido
    é encontrar a felicidade
    realizar nossos desejos.
    Então, não faz sentido
    compreender essa paixão!
    O que interessa é o milagre
    que dá sentido nessa religião.
    Ao matar a sede dos corpos
    em seu ato misericordioso
    vai aos poucos libertando
    seus devotos sequiosos
    de um enorme desprazer
    e, mesmo sem entendê-las
    estamos libertos e felizes
    duma existência triste e vazia
    sem o amor de uma mulher!

    Valter Montani

    ResponderEliminar
  4. Plagiando Comer, rezar e amar:
    Uma palavra para o Brasil = Prazer
    Uma palavra para o Açores = Nathalie

    ResponderEliminar